MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

14 Maio MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

PARA ONDE CAMINHAM AS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS?

Uma pesquisa feita no mês de abril de 2019 entre 115 empresas, revelou pontos de inquietação importantes de micros e pequenos empresários em relação aos cenários de seus mercados específicos e de suas operações internas.

Filadélfia Contabilidade

Seguem algumas análises da pesquisa que podem ajudar para reflexão de outros empresários:

SOBRE PESSOAS E PROCESSOS

As mudanças de mercado e as propostas pela Legislação brasileira apontam novos desafios para todos em relação a pessoas e processos. 50% dos entrevistados dizem estar preparados para estes desafios, no entanto, 16,67% reconhecem a necessidade de treinamentos para os colaboradores para melhorar os resultados e 33% não tem clareza do que fazer exatamente para melhorar o clima interno e contribuir para o desempenho dos colaboradores.

SOBRE AS MUDANÇAS TRAZIDAS PELO E-SOCIAL

O e-Social chegou com bastante barulho para as micros e pequenas empresas no início deste ano. Houve certo interesse dos empresários para o tema, mas atendendo a um apelo comportamental, foi feito apenas o que precisava ser feito naquele momento e nada mais se fez. 58% dos entrevistados dizem já ter corrigido algumas coisas, mas vão agir com cautela e 16,67% vão esperar o Governo fazer ais cobranças para agir. Em um universo de mais de 6,4 milhões e micros e pequenas empresas no País inteiro, se 1,6 milhões resolverem deixar as adequações para fazer na última hora, podemos ter um grande número de problemas técnicos seguidos de possíveis necessidades de retificações de dados.

SOBRE OS DESAFIOS NO AMBIENTE INTERNO

Os acontecimentos no mercado geral começam dentro de cada empresa, em cada decisão tomada, em cada estratégia desenhada. Neste tema, 66% dos entrevistados estão com dificuldades para medir a lucratividade dos negócios e tem desafios financeiros. Está claro que a falta de indicadores resulta da falta de gestão financeira adequada. Uma situação que pode ser resolvida sem tantas dificuldades, bastando a decisão dos donos dos empreendimentos de profissionalizar os controles e terem ferramentas e pessoas para fazer isso de acordo com suas necessidades.

SOBRE O QUE QUEREM PARA O FUTURO

Pensando no ambiente interno, com os impactos de tudo mais que acontece de fora para dentro, os entrevistados se mostram mais dispostos a compartilhar os resultados, mas querem que os colaboradores também assumam responsabilidades. Cerca de 25% se mostram abertos a compartilhar decisões e 50% estão dispostos a dividir os resultados. Uma governança colaborativa pode ser uma ideia para que todos contribuam com a melhora do desempenho da empresa e tenham rendimentos aumentados proporcionalmente aos resultados.

CONCLUSÃO

É claro que o número de empresas pesquisadas é pequeno e podem não refletir a realidade de um País. Mas dá para fazer reflexões sobre os comportamentos identificados e, se comparados com as iniciativas do Governo e do Mercado, ter uma ideia do que pode vir a acontecer num futuro não muito distante. A morte precoce de micros e pequenas empresas vem sendo apontada a anos por órgãos como SEBRAE. O fato é que parece ainda não haver redução para estas mortes. Além disso, com a evolução tecnológica e mudanças de comportamentos que estamos vivenciando, poderemos identificar uma crescente mudança nos mercados das pequenas empresas que poderão mais se transformar do que morrer. Mas o fato é que enquanto não profissionalizarem de fato a gestão, ainda enfrentarão muitas dificuldades tanto para cuidarem das próprias operações quanto para participarem de concorrências por serviços melhores.

Gostou desse post?
deixe seu link

Nenhum comentário

Postar um comentário

Recomendado só para você
Sabe todo aquele dinheiro gasto com impostos pagos de forma…
Cresta Posts Box by CP
Open chat