MPE SIMPLES Finanças - Riscos da falta de controle
760
single,single-post,postid-760,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-7.3,wpb-js-composer js-comp-ver-4.5.2,vc_responsive

MPE – Gestão financeira, Simples Nacional e os riscos da falta de controles

moeda-1-real-687x1024

04 fev MPE – Gestão financeira, Simples Nacional e os riscos da falta de controles

Os optantes do Simples Nacional confundem o regime de apuração do imposto com a forma de gestão e desprezam informações ou ações importantes durante os processos.

Ainda há gestores de MPE que acham desnecessários os controles financeiros profissionalizados para controle das operações das empresas.

A grande maioria dos empresários também acham a carga tributária alta, embora os optantes do Simples Nacional tenham benefícios que fazem bastante diferença em relação aos demais na maioria das atividades.

O fato é que, por pensar assim, ignoram as bases de calculo dos impostos, deixam de atentar para a movimentação financeira em relação ao faturamento da empresa e usam indevidamente a conta da empresa.

Uma das situações mais graves que podem levar uma empresa à falência, além da confusão patrimonial (ação dos sócios misturarem as contas pessoais às contas das empresas e vice versa), é negligenciar a apuração e recolhimento dos impostos e fazer uso do sistema financeiro muito mais do que precisa.

Por alta de educação financeira, gestores de MPE não calculam o preço do dinheiro que os bancos “cordialmente” disponibilizam em suas contas. Não tem controles do quanto estão pagando para se beneficiar dos limites das contas.

Esta falta de gestão leva as MPEs a doenças que podem levar à morte se não percebidas e corrigidas a tempo. O que deveria ser lucro dos sócios que tanto trabalham para manter a empresa no mercado, acaba sendo lucro dos bancos que ano após ano, batem recordes de resultados positivos enquanto muitas MPEs amargam a escassez financeira do dia a dia e os maus resultados no final de cada período.

Dinheiro do limite disponibilizado pelo banco não é dinheiro da empresa. É para ser usado em caso de emergências e custa caro.

As disponibilidades do sistema financeiro podem e devem ser utilizadas para o crescimento e desenvolvimento das MPEs e buscar educação financeira ajuda bastante a não pagar juros abusivos.

É sabido que brasileiro não tem habito de poupança e quando são empreendedores levam isso para suas empresas também.

Não estaria na hora de repensar o habito e fazer diferente?

Veja os resultados de 2014 que serão divulgados agora!

 

Nenhum comentário

Postar um comentário