IRPF2017 – CONHEÇA 3 ERROS COMUNS NAS INFORMAÇÕES DOS RENDIMENTOS

23 fev IRPF2017 – CONHEÇA 3 ERROS COMUNS NAS INFORMAÇÕES DOS RENDIMENTOS

 

Filó com celular

 

Os contribuintes brasileiros se utilizam da Declaração de Ajuste Anual de Imposto de Renda para acertar as contas com o Fisco demonstrando quanto ganharam, como gastaram e qual foi a evolução patrimonial a cada exercício.

O preenchimento da declaração parece simples, mas exige algum conhecimento de Legislação e atenção especial aos tipos de rendimentos recebidos para que não sejam declarados de forma errada e a declaração vá para malha fina, podendo trazer prejuízos financeiros.

Conheça 5 erros comuns nas informações sobre rendimentos:

#1 Rendimentos tributáveis – obrigatório a partir de 28.123,91

São considerados rendimentos tributáveis todos os rendimentos provenientes de trabalho assalariado, aposentadorias, salvo situações especiais, recebimentos por serviços prestados de forma autônoma ou por atividades empresariais, rendimentos de aluguel e outros. São erros comuns:

  • Esquecer fontes menores e não declarar
  • Declarar fontes pagadoras trocadas
  • Confundir os tipos de rendimentos

#2 Rendimentos Isentos ou sujeitos à tributação exclusiva na fonte – obrigados a partir de 40.000,00

Os rendimentos isentos ou de tributação exclusiva na fonte tem tratamentos diferenciados pela Legislação que variam de acordo com a os tipos de rendimentos. A sugestão é que, em caso de rendimentos diferentes dos citados acima, convém ao contribuinte questionar e entender a tributação para correta declaração. Exemplos: rendimentos de caderneta de poupança, de aplicações financeiras, etc. Erros comuns:

  • Não saber a composição do rendimento no caso dos rendimentos com tributação exclusiva que tem tributação na fonte
  • Achar que não precisam ser informados por considerar-se isento – sem base legal
  • Negligenciar rendimentos financeiros por achar que o Fisco já sabe

#3 Rendimentos com Ganho de Capital

São rendimentos apurados quando da venda de bens. Tem tributação exclusiva e o imposto não é restituível. Erros comuns:

  • Não fazer apuração pelo Programa de Ganho de Capital à época da venda
  • Deixar para fazer a declaração 6 meses depois e esquecer
  • Não ter documentos comprobatórios da operação para preenchimento correto

A sugestão é que as pessoas físicas contribuintes de imposto de renda, tenham controles detalhados dos tipos de recebimentos que tenham durante o ano, bem como controles de gastos, com documentos que comprovem, a exemplo do que já se pratica na escrituração contabil feita para empresas. Esta é uma excelente forma de ter todas as informações detalhadas para ajustar as contas com o leão e, mais importante que isso, ter controle da evolução patrimonial a cada ano.

Se os acompanhamentos forem feitos mensalmente, a possibilidade de esquecer alguma informação é mínima. Além disso, estas informações de rendimentos podem servir de bússola para se buscar outras oportunidades de ganhos ou para mudanças de rotas naquilo que não está sendo rentável.

Nenhum comentário

Postar um comentário