Como Fazer um Orçamento de Obras

como_fazer_orçamento_de_obras_filadélfia_contabilidade.jpg

22 nov Como Fazer um Orçamento de Obras

Todo engenheiro ou construtora deve saber o valor completo de uma obra. Obviamente, alguns cursos e realocações, bem como necessidades podem surgir a medida do caminho, mas ter um orçamento definido como parâmetro se torna essencial, antes do projeto se iniciar.

E quando se fala em como fazer um orçamento de obras, é preciso citar que não se trata apenas dos materiais que serão precisos, mas de todas as estratégias logísticas, custos de mão de obra e demais alternativas de métodos construtivos.

Se torna vital estudar todos os requisitos, ferramentas e recursos para o sucesso da obra.

Não tenha medo de ser detalhista

Não há porque temer ser detalhista, pelo contrário, quanto mais informações você tiver, melhor, porque assim, maiores chances você terá quanto ao valor aproximado para a realização da obra. Apesar de não poder ser exato, poderá se aproximar ao máximo quanto aos valores do orçamento do projeto, tendo assim êxito e eliminação de prejuízos.

Por isso, para ser bem-sucedido no orçamento de obras, tome nota desses conselhos!

  1. Software ERP

As vantagens de ser ter um Software ERP são muitas, já que por meio dele é possível:

  • Alavancar a capacidade de produção.
  • Ter alto rendimento.
  • Otimizar processos de gestão.
  • Obter maior faturamento.
  • Gerenciamento de estoque.
  • Controle de produtividade, segundo os demonstrativos de dados.
  • Definição de apontamentos.

Por meio de um sistema desse nível é possível obter informações sobre preços, cotações, prazos, entre outros, facilitando assim na construção do orçamento de obras.

Apesar de haver uma certa flutuação de valores monetários, quando se tem um cadastro completo de vários recursos, sejam eles humanos ou materiais, fica mais fácil elaborar o orçamento, segundo a necessidade da obra.

Outros pontos que precisam ser analisados…

  1. Estudos das condicionantes

Faça um levantamento de todo o projeto, do memorial descritivo e até mesmo da visita técnica. Dessa forma fica mais fácil para quantificar os serviços.

Será necessário também:

  • Fazer uma cotação de insumos.
  • Analisar custo da mão de obra.
  • Levantamento dos custos indiretos.
  • Da aplicação dos impostos concernentes ao trabalho.
  • Analisar solo, revestimento, instalações, acessos energéticos e hídricos.

Levando também em consideração: Localidade, trânsito, bloqueios e impedimentos, entre outros.

  1. Composição dos custos

A partir dessa composição, será possível fazer um levantamento de quantitativos.

Veja bem, cada serviço precisa ser quantificado. Nesse sentido o levantamento de custos, será fator determinante para o estabelecimento do orçamento da obra.

Nessa análise é preciso definir:

  • Volume de concreto.
  • Área de telhado.
  • Área de pintura.
  • Volume de escavação de solo.

Também será necessário refletir sobre os custos diretos, que são aqueles associados aos serviços da obra, exemplo:

  • Kg da armação.
  • Valor do paisagismo.
  • Valor da sinalização completa da obra.

Esses custos são denominados diretos, pois devem ser calculados por valor da unidade.

Os valores da cotação de preços sobre os encargos diante a hora base de cada trabalhador, também precisa ser inserido no orçamento da obra.

Custos indiretos

Esses tipos de custo devem ser dimensionados às equipes técnicas, exemplo:

  • Engenheiros.
  • Apontadores.
  • Almoxarifado.
  • Vigia.
  • Materiais de limpeza e escritório.
  • Taxas e emolumentos.
  • Mobilização ou desmobilização.

Cotação de preços

Nessa parte, para fazer um orçamento de obras, o engenheiro ou a construtora precisará coletar todos os dados em relação a precificação dos custos direitos e indiretos, bem como dos fornecedores.

Essa parte deve ser feita, logo após a seleção da composição dos custos, para que assim o orçamento da obra esteja bem pontuado.

Defina os encargos trabalhistas e sociais

Será preciso da mesma forma, fazer a análise de encargos, envolvendo os diversos impostos sobre as obrigatoriedade e horas trabalhadas.

Por fim chega a melhor parte… a definição da margem de lucro!

Esta deve ser baseada nas condições extrínsecas e intrínsecas de toda a obra.

Deve ser analisado, portanto:

  • Fatores sobre o peço da concorrência.
  • Riscos do empreendimento.
  • Aplicação da BDI – Benefícios e Despesas Indiretas.
  • Entre outros.

Portanto, como você pode ver, é um trabalho que exige muitos cuidados e detalhes, da mesma forma a contabilidade de seus projetos não pode falhar de forma alguma, pois o Fisco está de olho!

Se precisar de ajuda com a composição dos custos da sua obra, entre em contato!

Nenhum comentário

Postar um comentário